A convergência midiática como ferramenta na re construção da autoestima da mulher negra

Beatriz Almeida

Resumo


A partir da disseminação das redes sociais e plataformas digitais foi possível um significativo aumento de corpos-políticos negros na mídia, mais especificamente os corpos negros femininos na internet. O crescente número de conteúdo audiovisual produzido por mulheres negras, vem sendo o gás motivador do processo de descoberta sobre si de muitas jovens negras. Um sistema de ativismo virtual e midiatização de narrativas pessoais, que vem se desenvolvendo na produção de canais de youtube e páginas no facebook. Isso só foi possível a partir da convergência e democratização dos ambientes virtuais,que desencadeou e vem desencadeando inovadores processos de militância, troca interpessoal, produção de novos conteúdo e outras percepções de entendimento e cuidado com a corporeidade negra.  A democratização das mídias ainda é um longo caminho a ser percorrido, por isso, este artigo visa discutir o processo de descolonização do conhecimento na pesquisa das comunicações a partir de pesquisas exploratórias em cases de sucesso nessa construção digital. A exemplo do canaL do Youtube “Afros e Afins”, da estudante de Ciências Sociais, Nataly Neri, que trabalha em prol da autonomia política, financeira, estética e intelectual das mulheres pretas. E na perspectiva do afeto e do empoderamento, Nataly consegue dialogar com meninas que se não fosse pela internet, provavelmente não teriam acesso a esses conhecimentos. Por tanto, essa nova faceta da mídia é uma poderosa ferramenta para uma mudança real e gradativa em relação ao racismo estrutural da sociedade. O povo preto vem se apropriando do espaço virtual, também como um espaço diaspórico possível, tanto para se informar, como para se conectar e articular.

Texto completo:

PDF